Calendário Temático 2022

27.AGO A 02.SET – ESTUDO – SÃO PEDRO E SÃO PAULO: SOMOS PEDRAS ESSENCIAIS PARA A CONSTRUÇÃO DA IGREJA


Como aprendemos, nossa igreja é um reflexo de quem somos: o chamado é feito a todos, assim como em Pentecostes. Dessa forma, vamos olhar e estudar os pilares da nossa igreja, enxergando como suas diferenças se completam e fortalecem a nossa Igreja.


· Quem foi cada um deles na construção da Igreja?

· Ressaltar as diferenças entre eles;

· Pedro e Paulo representam diferentes extremos numa escala de personalidade e história. Qualquer coisa entre esses extremos pode vir a fazer parte do rosto da Igreja;

· Importante ressaltar que no caso de Pedro, a mudança de nome remete a uma mudança de responsabilidade. Sua jornada toma um novo rumo, ao receber, do nosso Senhor, uma nova função.

· A diferença de contexto social entre Pedro e Paulo;

· Como a personalidade e o temperamento de cada um influenciou em sua trajetória?

· O rosto da igreja: importância do Papa em seu tempo.


Palavras-chave: Paulo; Pedro; Papa; Complementares.

Sugestões de passagem bíblica: Mt 16, 13 - 19; Lc 5, 1 – 11; Atos 9, 1 – 22.

Sugestão de músicas: Apóstolos; Somos nós.

Sugestão de filme: Dois Papas; Paulo: Apóstolo de Cristo.



20.AGO A 26.AGO – ORAÇÃO – MOMENTO DE ORAÇÃO INSPIRADO EM FRASES DE SANTO AGOSTINHO


Santo Agostinho é um santo com quem muitos de nós podemos nos identificar. Mesmo tendo nascido numa família católica, Agostinho viveu por muitos anos desconsiderando a importância de Deus em sua vida, colocando as coisas do mundo no topo da sua cruz do ser pessoa.


Conheceu intimamente Deus através da leitura e dos estudos, percebendo, assim, como Deus havia agido em vários momentos da sua vida e se convertendo de corpo e alma ao catolicismo.


Os livros, textos e sermões de Agostinho são de grande profundidade e mostram a bonita relação de amizade que Agostinho tinha com Jesus. Hoje, te convidamos a orar com as frases de Santo Agostinho, para que essas frases possam nos levar a mais um passo na nossa conversão.


- “Fizeste-nos para vós, Senhor, e o nosso coração não se dá paz enquanto não descansar em vós”.


- “Não saia para fora, mas volte para dentro de si: a verdade reside no interior do homem”.


-"Tarde te amei, ó beleza tão antiga e tão nova, tarde te amei! Eis que estavas dentro e eu fora. Estavas comigo e não eu contigo. Exalaste perfume e respirei. Agora anelo por ti. Provei-te, e tenho fome e sede. Tocaste-me e ardi por tua paz.”


-"Quer louvar-te o homem, esta parcela de tua criação! Tu próprio o incitas para que sinta prazer em louvar-te. Fizeste-nos para ti e inquieto está nosso coração, enquanto não repousa em Ti.”


-"Que eu te conheça, ó conhecedor meu! Que eu também te conheça como sou conhecido! Tu, ó força de minha alma, entra dentro dela, ajusta-a a ti, para a teres e possuíres sem mancha nem ruga.”


-"Quereis cantar louvores a Deus? Sede vós mesmos o canto que ides cantar. Vós sereis o seu maior louvor, se viverdes santamente.”


Sugestão de dinâmica: Levar essas e/ou outras frases de Santo Agostinho e entregá-las aos alpinistas, para que eles leiam e reflitam sobre aquela frase em sua vida. Criar um momento propício para oração, com luz baixa e música calma, para facilitar que entrem em clima de oração. Ao final, abrir espaço para que todos leiam em voz alta, a fim de que todos possam ouvir as frases e expressar suas reflexões se quiserem.


Palavras-chave: Oração; Conversão; Santo Agostinho.

Sugestão de passagem bíblica: Gálatas 2, 15-20.

Sugestão de músicas: Deus; Tempo de escutar; Ser cristão; Essa luz; Há uma luz maior; Braço forte; Pessoa da luz; Digno.


13.AGO A 19.AGO - TEMA LIVRE


06.AGO A 12.AGO – COMPORTAMENTO – TODAS AS VOCAÇÕES EM UM CHAMADO: AMAR E SERVIR


O que é vocação? Qual a diferença entre dom e vocação?


Vocação é uma palavra que vem do termo em latim vocare, que significa convocar, chamar, escolher. Vocação é, portanto, um chamado de Deus a uma determinada pessoa. Esse chamado é individual, porque reflete os dons de cada um.


O dom é inato, é um presente dado por Deus, que temos que colocar à serviço. Mesmo sendo conceitos diferentes, estão interligados, pois somos chamados a utilizar nossos dons a serviço da nossa vocação.


Existem diferentes tipos de vocações, sendo elas: matrimonial, sacerdotal, religiosa e vocações leigas.


A vocação matrimonial pode ser vivida por leigos batizados que participam da comunidade cristã por meio da Igreja. Para esse grupo, diversos propósitos de vida podem ser encontrados, através do ministério familiar ou ações missionárias.


A vocação sacerdotal convida religiosos chamados a anunciar o evangelho e guiar a comunidade rumo ao caminho de Deus. Aqui estão os diáconos, padres e bispos.


A vocação religiosa envolve pessoas que se consagram a Deus por meio dos votos religiosos de pobreza, obediência e castidade e, geralmente, seguem e servem a Cristo por meio de uma Congregação religiosa.


E as vocações leigas: Ser leigo atuante é ter consciência do chamado de Deus a participar ativamente da Igreja e do Reino contribuindo para a caminhada e o crescimento das comunidades. Assumir esta vocação é doar-se pelo Evangelho e estar junto a Cristo em sua missão de salvação e redenção.


Além dessas vocações, que são propostas de vida, também somos convidados a colocar nossos dons a serviço através da nossa vocação profissional no nosso cotidiano (seja na escola, faculdade, trabalho, família).


Apesar de existirem diversas vocações, todos nós temos a mesma missão: Amar e Servir, existem vários modos de ser amor e serviço, através das nossas vocações de vida ou profissionais, o importante é que mesmo que por caminhos diferentes, estamos caminhando para atingir esse mesmo objetivo.


E você, sabe qual é a sua vocação?


Palavras- chave: Vocação; Chamado; Amor; Serviço.

Sugestão de passagem: I Pd 1,10.

Sugestão de música: Vocação; Ser Cristão; Jeito de Viver.



30.JUL A 05.AGO – COMPORTAMENTO – TRÊS COISAS QUE ACONTECEM QUANDO ESTAMOS NA PRESENÇA DE DEUS


A partir do momento que nos colocamos na presencia de Deus certas coisas acontecem, coisas que muitas das vezes nem percebemos. É através da oração constante que vamos sendo moldados.


Primeiramente, estar na presença de Deus nos dá confiança, pois nos reconhecemos como filhos amados, ganhando consciência de que Ele nos deu um espírito de poder, amor e autocontrole, além de saber que Ele nunca nos abandonará, já que Ele é imutável ontem, hoje e para sempre. Essa confiança nos traz um melhor equilíbrio para nossa cruz, pois nossa confiança não está nas coisas do mundo, nos outros, nem em nós mesmo, e sim em Deus.


1. Estar na presença de Deus nos dá confiança: Timóteo 1: 7; Provérbios 19: 21; Hebreus 13: 5-8


Estar na presença de Deus também nos permite conhecê-lo melhor. Permitimos que nossa cegueira espiritual comece a ser desfeita aos poucos e enxergamos quem é Deus. O nosso criador e criador de todas as coisas, o nosso pai que tanto nos ama, um amor ágape descrito na passagem de coríntios. Entendemos, aos olhos da fé, a beleza da trindade, de um Deus se que se fez homem através do seu filho Jesus e habitou entre nós, nos deixando o Espírito Santo. A cada minuto dedicado à Sua presença mergulhamos em quem Ele é, nos apaixonamos por esse Deus e descobrimos quem somos.


2. Estar na presença de Deus nos permite conhecê-lo melhor: Salmo 24, 1-2; João 7, 18; Efésios 1, 3-14; I Pedro 2, 9; Mateus 5, 16.


Por fim, estar na presença de Deus nos faz reviver as promessas. Não somos desse mundo, o nascer e o morrer fazem parte de um grande mistério, a nossa passagem terrena é curta. Mas Deus realiza promessas de salvação e nos conduz através do Seu contato íntimo ao caminho de santidade.


3. Estar na presença de Deus nos faz reviver as promessas: I Pedro 3, 8-16; I Coríntios 2, 9.


Dica para dinâmica: Pode ser feito um momento introdutório acerca do tema e depois dividir as pessoas em grupos, entregando as passagens bíblicas e refletindo o que ela tem a nos dizer. Por fim, abrir para partilha no grupão.


Palavras-chave: Oração; Presença; Confiança; Promessas.

Sugestões de passagens: Timóteo 1, 7; Provérbios 19, 21; Hebreus 13, 5-8; Salmo 24, 1-2; João 7, 18; Efésios 1, 3-14; I Pedro 2, 9; Mateus 5, 16; I Pedro 3, 8-16; I Coríntios 2, 9.

Sugestões de músicas: Sintonia; Bote fé; Ecoar.



23.07 a 29.07 - ORAÇÃO - ESPIRITUALIDADE INACIANA


A espiritualidade pode ser descrita como um caminho que nos leva à intimidade com Deus. “Para quem tem fé e deseja", como Santo Inácio, é necessário enxergá-la como oportunidade para considerar meditar e contemplar a realidade, trazendo-a para mais perto, para a sua oração e suas decisões no cotidiano.


O puro amor de Deus é a origem de tudo que somos e temos. A vontade dEle é que alcancemos o fim para que fomos criados; que trilhemos o bom caminho.


A história de Santo Inácio de Loyola diz que, durante o seu tempo de serviço militar ele foi gravemente ferido em batalha, o que o fez retornar ao castelo da família para recuperar-se. Durante o período de convalescência ele se interessou por ler livros, a fim de passar o tédio. Os livros que lhe estavam disponíveis eram justamente sobre Cristo e a vida dos santos. É justamente através desses livros que Inácio encontra-se com a Palavra, momento este que dá início à sua conversão.


No século XVI, Santo Inácio de Loyola fundou a companhia de Jesus, que foi de grande importância para a história da Igreja; não só no período da sua fundação, mas também perpetuando-se como um dos principais nichos da Igreja. Os jesuítas foram essenciais na difusão do catolicismo no oriente e na américa, com destaque para são José de Anchieta que, junto aos primeiros jesuítas, deu início à evangelização brasileira.


A obra de Santo Inácio de Loyola também se destaca por seu livro: Exercícios Espirituais. O intuito deste livro seria acompanhar pessoas em retiro, mas vai muito além disso. Pode-se afirmar que ele é um dos grandes responsáveis por um enorme número de conversões desde sua publicação. O princípio desta obra de Santo Inácio é fazer com que pessoas que estão procurando razões de viver, alheias a Deus, desentortem sua vida e comecem a buscar a Ele.


O homem foi criado para amar e servir a Deus. Os exercícios espirituais de Santo Inácio de Loyola são uma grande meditação, na qual ele nos conduz; buscando elucidar a verdadeira razão de ser da nossa vida, buscando a Deus.


O que vim fazer neste mundo?


Os exercícios espirituais mostram que: por mais que façamos coisas boas e honrosas, se não as fazemos por Deus como razão última e como o porquê da nossa existência, no fundo, estamos numa existência vazia.


No evangelho de João, capítulo 14, diz-se: “Eu sou o caminho, a Verdade e a Vida.”


Quem é o Senhor que comanda o meu coração?


No evangelho de Marcos, capitulo 12, lembra o que Jesus disse: “O Senhor nosso Deus é o único senhor, e ame ao Senhor com todo seu coração.”


Este querido Santo é celebrado em 31/07. Santo Inácio de Loyola, rogai por nós!


Palavras-chave: Santo Inácio de Loyola; Oração; Meditação.

Sugestões de vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=Y9E2ittRABo


16.JUL a 22.JUL - TEMA LIVRE


09.JUL a 15.JUL - COMPORTAMENTO - FAMÍLIA: UM CHAMADO À SANTIDADE


Por muitos anos, pensava-se que a santidade estava limitada àqueles que dedicavam toda a sua vida a Deus, no serviço do sacerdócio ou como um consagrado, dentro de conventos e mosteiros.

No entanto, o chamado à santidade não é excludente. Jesus chamou todos a serem santos: "Mas, assim como é santo aquele que os chamou, sejam santos vocês também em tudo o que fizerem, pois está escrito: 'Sejam santos, porque eu sou santo', 1 Pedro 1:15-16".


O concílio Vaticano II, chamou a família de "Igreja Doméstica", sendo o local onde os pais são os primeiros mestres, ensinando através da palavra e do exemplo sobre virtudes, caridade, perdão, amor fraterno e busca dos sacramentos. Isso não quer dizer que as pessoas se tornam imediatamente santos após se casarem na Igreja. Como em qualquer outra vocação, Deus dá a graça para que cada pessoa, na família, busque se afastar dos pensamentos egoístas e individualistas e se volte para a busca da caridade e vida em comunidade.


Assim como os pais são chamados a serem os "primeiros mestres", os filhos são chamados a construir um caminho de santidade através do respeito a seus pais: “Honra teu pai de todo o coração e não esqueças as dores de tua mãe. Lembra-te que fostes gerado por eles. O que lhes darás pelo que te deram?" (Eclo 7,27-28). Em situações de quebra da relação entre pais e filhos, é importante lembrar que está nos mandamentos "Honrar pai e Mãe". Pais e filhos, ambos são passíveis de erros, de desvios no caminho da santidade. Dos dois lados, devemos buscar o perdão e o respeito, mesmo que não seja mútuo. Os filhos são chamados a serem sal da terra e luz do mundo dentro de suas casas.


Como forma de nos ajudar no caminho de santidade na família, Deus deixou santas famílias como exemplo:

  • São Luís e Santa Zélia Martin: os dois eram de famílias muito católicas, ambos chegaram a pensar em seguir uma vida consagrada, mas se conheceram e se casaram alguns meses depois. São Luís era relojoeiro, porém abandonou a profissão para dar suporte para a sua esposa, que trabalhava com rendas e iniciaram juntos uma pequena empresa. Tiveram 4 filhas, todas seguiram a vida religiosa, entre elas temos a Santa Teresinha do Menino Jesus.

  • Santa Gianna Beretta Molla: Santa Gianna foi médica pediatra, casada com Pietro Molla. Ambos eram muito católicos. Ela dedicava sua vida ao cuidado de sua família e no cuidado aos doentes, em especial às crianças e aos idosos. Foi mãe de 4 filhos. Durante sua última gestação, aos 39 anos, descobriu a formação de um mioma em seu útero, porém decidiu levar sua gestação adiante. No parto, apesar dos esforços para salvar as duas vidas, Santa Gianna falece. Foi canonizada em 2004 por São João Paulo II.

  • Serva de Deus Chiara Corbella Petrillo: casada com Enrico Petrillo, falecida em 2012 com 28 anos. Vinha de família católica e participava da RCC, onde conheceu seu esposo. Teve duas gestações, após o casamento, com malformações importantes, no entanto, os pais decidiram por dar continuidade à gestação, se negando a abortarem. Na 3ª gestação, de um menino saudável, Chiara descobre um câncer e posterga seu tratamento para dar continuidade à gestação. Apenas após o nascimento de seu filho, Francesco, inicia o tratamento para o câncer. No entanto, este já estava avançado, levando a seu falecimento em 2012.

Como esses, existem outros tantos santos que eram pais, mães, casados ou viúvos e que se colocaram à disposição da vontade de Deus. Que conhecendo um pouco mais das suas vidas, possamos buscas também a santidade para nós e para nossas famílias.


Palavras-chave: Comportamento; Família; Santidade; Santos casados.

Sugestões de leitura: Família, fonte de santidade (Comunidade Shalom); A vida familiar, caminho de santidade (Opus Dei)

Sugestões de músicas: A Tua ternura (Comunidade Shalom); Canção para matrimônio; Enquanto há Deus, há missão.


02.07 a 08.07 - ESTUDO - OS MANDAMENTOS DA IGREJA E OS 10 MANDAMENTOS DA LEI DE DEUS.


O decálogo consiste em dez regras dadas por Deus para que tivéssemos uma vida mais feliz e próspera, neles pode-se compreender toda a vida humana, nós, pessoas humanas, estamos orientados, com efeito, para Deus (do primeiro ao terceiro mandamento) e para os outros (do quarto ao décimo mandamento). Os dez mandamentos são:

  1. Eu sou o Senhor, teu Deus. Não terás outros deuses além de Mim;

  2. Não profanarás o nome de Deus;

  3. Santificarás o Dia de Deus;

  4. Honrarás pai e mãe;

  5. Não mataras;

  6. Não cometerás adultério;

  7. Não roubarás;

  8. Não darás falso testemunho contra o teu próximo;

  9. Não cobiçarás a mulher do teu próximo;

  10. Não cobiçarás os bens do teu próximo.

Escutamos bastante sobre os dez mandamentos da lei de Deus desde pequenos, quando nos é a presentada a história do Êxodo. Além disso, em 1992, o Papa João Paulo II instituiu os cinco mandamentos da igreja, estes ligados à vida litúrgica, assim como o decálogo, auxiliando o católico a viver em comunidade buscando o crescimento espiritual e a salvação. Os cinco mandamentos da Igreja são:

  1. Ouvir Missa inteira nos domingos e festas de guarda;

  2. Confessar-se ao menos uma vez cada ano;

  3. Comungar ao menos pela Páscoa da Ressurreição;

  4. Jejuar e abster-se de carne, quando manda a santa madre Igreja;

  5. Pagar dízimos, segundo o costume.

Podemos notar que tanto os mandamentos da Lei de Deus quanto os mandamentos da Igreja são direcionamentos de comportamento que nos auxiliam a ter uma boa vida em comunidade e em Cristo, nos incentivam a buscar os sacramentos (principalmente os mandamentos da Igreja) e a não pecar.

Perguntas chave:

● Todos sabemos quais são os mandamentos da lei de Deus e da Igreja?

● Qual a importância deles?

● Estamos seguindo os mandamentos?

● O que nos impede de segui-los? E como mudar o que nos impede?


Palavras-chave: Mandamentos; Igreja; Comportamento; Comunidade.

Sugestão de referência: Youcat págs. 192- 255 (Falam de cada um dos 10 mandamentos da lei de Deus e temas relacionados com eles) , Os mandamentos da Igreja - CNBB

Sugestões de passagens: Êxodo 20

Sugestão de músicas: Planos de Deus ; Êxodos ; Ouvi Deus ; A voz de Deus .


18.JUN A 24.JUN – COMPORTAMENTO – SINODALIDADE NA IGREJA: ENTENDER A REALIDADE QUE NOS RODEIA E A ESCUTA COMO EVANGELIZAÇÃO JOVEM


“O caminho da sinodalidade é precisamente o caminho que Deus espera da Igreja do terceiro milênio” - Papa Francisco


O termo grego “sínodo” significa “caminhar juntos”. Já a sinodalidade expressa a participação e a comunhão em vista da missão, da concretização dessa caminhada. Assim como nosso orientador espiritual escreveu para nós no início do ano, esse caminhar juntos não é apenas caminhar em paralelo, mas caminhar ouvindo e enxergando o outro e os outros, além de enxergar é preciso ouvir para que possamos entender a nós mesmo e o outro, a escuta também é uma prática da caridade. Se não nos escutamos, como podemos seguir juntos? Se não escutamos as necessidades do outro, como iremos ajudá-lo? Como iremos evangelizar sem ouvir os jovens?


Esse convite a entender a igreja que nos rodeia, a escuta e a evangelização faz parte do Sínodo que iniciou em 2021 e terá sua finalização em 2023. Na igreja católica, a cada 4 anos é feita uma reunião do Papa com os Bispos eleitos para a construção em conjunto de um documento, essa reunião e o documento criado a partir dela chamam-se Sínodo, têm como objetivo auxiliar o Papa na sua solicitude pela Igreja. Contudo, no ano passado, o Papa Francisco propôs e iniciou uma forma diferente de construir o Sínodo, indo profundamente ao encontro do seu significado, convidou toda a igreja a participar dessa construção. Estamos no meio desse processo que tem promovido uma escuta, por meio de questionários, de todo o povo.


No documento que explica a proposta do Sínodo de 2021 a 2023, temos o tema: Para uma Igreja Sinodal: Comunhão, Participação e Missão. Portanto, um chamado a refletirmos o que é preciso para seguirmos juntos nesse caminho, como podemos nos manter ativos? O que é preciso mudar para melhor evangelizar no mundo que vivemos hoje?


Dentre muitas reflexões propostas pelo documento base, temos a escuta, a busca para compreender a realidade que nos rodeia como principal norte do nosso caminho. Dessa forma, "os diversos membros da Igreja poderão aprender com as experiências e perspectivas uns dos outros, guiados pelo Espírito Santo (DP 1). Iluminados pela Palavra de Deus e unidos em oração, seremos capazes de discernir os processos para procurar a vontade de Deus e dar seguimento aos caminhos para os quais Deus nos chama – rumo a uma comunhão mais profunda, a uma participação mais plena e a uma maior abertura ao cumprimento da nossa missão no mundo."


Logo, nós, alpinistas, também recebemos esse chamado e precisamos refletir, em um mundo de tantas informações, em que tudo é visto tão rápido, tão sem tempo, temos nos disponibilizado a escutar tanto nós mesmos quanto o outro? Antes de caminhar junto, preciso saber como está o meu caminho? Como está minha participação? E meu olhar para os que estão ao meu redor? Estou aberto para caminhar junto com o outro mesmo com as diferenças? O que tenho feito para viver em comunidade? E para evangelizar? Esses são alguns questionamentos que devemos fazer para alcançarmos a sinodalidade na igreja.


Palavras-chave: Sínodo; Escuta; Comunhão; Participação; Evangelização.

Sugestões de leitura:

https://docs.google.com/document/d/174wKKAEp4R_pPJT8hFMjzQASsnw71Xb4_c_vKUbJipg/edit?usp=drivesdk

Documento: https://linksharing.samsungcloud.com/r0ZDDWI6rI0V (Vademecum)

Sites: https://crbnacional.org.br/voce-sabe-o-que-e-um-sinodo/ ; https://www.cnbb.org.br/sinodalidade-o-que-e

Sugestões de músicas: Terra Molhada; Quem, Se Não Nós?; Somos Nós; Milhões; Com-Viver; Ecoar; Ser Cristão.


11.JUN A 17.JUN – ESTUDO – CARLO ACUTIS E O AMOR PELO SANTÍSSIMO SACRAMENTO - CORPUS CHRISTI


Nesta semana celebramos na quinta-feira, a festa de Corpus Christi. Toda quinta-feira após a oitava de Pentecostes, a Igreja celebra a festa de Corpus Christi. Está é a festa do Corpo e Sangue de Jesus Cristo, que busca celebrar o mistério da Eucaristia.


Durante a Festa de Corpus Christi as ruas são enfeitadas, ornamentadas para que por ela se passe a procissão com o Santíssimo Sacramento. É feito um tipo de tapete utilizando diversos materiais, como serragem, areia colorida, borra de café, cal, entre outros, por onde a procissão passará. Essa procissão nos lembra a caminhada do povo de Deus, peregrino em busca da Terra prometida. Antes o povo peregrino que caminhava no deserto era alimentado com o Maná. Hoje graças a Instituição da Eucaristia, o povo é alimentado pelo próprio Corpo e Sangue de Jesus Cristo.


Com nosso coração voltado a tal mistério somos convidados a conhecer melhor a importância de Jesus Eucarístico através do testemunho vivido pelo jovem Beato Carlo Acutis. Em seu “kit para ser santo” ele traz como quinto conselho a adoração ao Santíssimo Sacramento, que é, parafraseando Santa Catarina de Gênova, o tempo mais bem empregado de nossas vidas, por isso, o jovem beato italiano disse: “Se for possível, faça alguns momentos de Adoração Eucarística em frente ao Tabernáculo onde Jesus está realmente presente. Você verá como seu nível de santidade aumentará prodigiosamente”.


A convicção de Carlo a respeito da presença real de Jesus na Eucaristia era tanta que, em certa ocasião, seu pai, André Acutis, perguntou se ele gostaria de ir a Jerusalém para visitar os lugares por onde Jesus havia passado, o que prontamente Carlo respondeu: “prefiro ficar em Milão, onde posso encontrá-Lo hoje no sacrário, em cada igreja”. Desse modo, Carlo não perdia a oportunidade de se encontrar com Jesus todos os dias, em adoração, antes ou depois de participar da Santa Missa.


Segundo o Catecismo, a adoração é o primeiro ato da virtude da religião (cf. §2096), o que quer dizer que, ao adorar, reconhecemos Deus como Deus, Senhor, Rei, enfim, como o dono de nossas vidas, pois Ele é o Criador de todas as coisas e nós somos Suas criaturas. Tal gesto deve gerar uma profunda gratidão em nosso coração e selar em nós a nossa pertença a Ele. Assim, na adoração, descobrimos o nosso lugar diante de Deus, o Onipotente, e, por isso, podemos crescer na virtude da humildade e na rendição à Sua santa vontade para nossas vidas.


Carlo, como tantos outros santos e beatos, teve sua conversão forjada diante de Jesus Eucarístico. Ele experimentou em si este crescimento prodigioso no nível de santidade, o qual mencionou em seu kit para se tornar santo. Foi gastando tempo diante do sacrário que o Evangelho se encarnou em sua vida de modo extraordinário.


Nós também somos chamados a fazer essa experiência de conversão e santificação através da adoração ao Santíssimo Sacramento, como vemos retratado em uma metáfora de Carlo, quando tentava explicar os efeitos da exposição das nossas almas e corações diante de Jesus Eucarístico: “Se você permanece de frente para o sol, ficará bronzeado, mas quando está diante de Jesus, na Eucaristia, você se torna um santo”.


Palavras-chave: Corpus Christi; Adoração; Jesus Eucarístico; Santíssimo Sacramento; Carlo Acutis.

Sugestões de passagens: João 6, 51

Sugestões de músicas: Sintonia; Grão de Trigo; Luz da Vida; Novo Tempo; Num Pedaço de Pão; Banquete Pascal; Novo Dia; Sol da Igreja


04.JUN A 10.JUN – ORAÇÃO – OS DONS DO ESPÍRITO SANTO - PENTENCOSTES


Pentecostes é uma festa do cristianismo em que celebramos a descida do Espírito Santo aos apóstolos, Maria, algumas mulheres e outros discípulos. O Pentecostes acontece 50 dias após a páscoa como cumprimento da promessa que Jesus fez de nos enviar o paráclito.


O Espírito Santo nos presentou com dons que são essenciais para nossa caminhada de fé e construção da Igreja colocando-os a serviço da comunidade. Os dons são sabedoria, entendimento, conselho, fortaleza, ciência, piedade e santo temor de Deus. Os sete dons são como velas de um barco que nos guiam ao Porto seguro da santidade.


O Espírito Santo vem em auxílio da nossa fé com os dons do entendimento e da ciência. Para incentivar a nossa esperança, recebemos o dom do santo temor de Deus e, para aprimorarmos a nossa caridade para com Deus e o nosso próximo, recebemos o dom de sabedoria.


Em relação ao dom do entendimento, aderimos às verdades reveladas pelo Cristo e do evangelho. Quanto ao dom do conselho, o Espírito Santo nos ajuda a trilhar o rumo certo e nos impulsiona a guiar, com bons conselhos, o nosso próximo no caminho do bem.


Pelo dom da fortaleza, Deus nos propicia a coragem necessária para enfrentarmos as tentações, as perseguições e as noites escuras que podem surgir em nossa vida.

O dom da ciência aperfeiçoa a nossa inteligência e nos faz perceber que todo o conhecimento vem de Deus. Esse dom nos auxilia na compreensão das Sagradas Escrituras.


O dom da piedade nos ajuda a perceber os frutos da oração, do silêncio, da adoração e das práticas de piedade. Pelo dom do temor de Deus, tomamos cuidado para não entristecermos o Cristo. Desse modo, lutamos contra o pecado, o mal, o egoísmo e a indiferença.


Esses sete dons do Espírito Santo recebemos no momento do nosso batizado, chamamos de Dons Infusos, são como guias para o caminho da nossa santidade. E o Espírito Santo também envia a nós os Dons Efusos que são voltados a santificação do outro, nos convida a nos colocarmos a serviço. Os Dons Efusos são nove e são: Dom de Línguas; Dom de Profecia; Dom de Interpretação das Línguas; Dom da Fé;

Dom da Cura; Dom de Milagres; Palavra de Sabedoria; Dom do Discernimento dos Espíritos; Dom de Ciências. Esses são enviados em momentos de efusão.


Palavras-chave: Pentencostes; Espírito Santo; Paráclito; Oração.

Sugestões de músicas: Deus; Queima de Novo (Colo de Deus).

Sugestão de condução: Reproduzir o cenáculo – fazer oração com músicas do Espírito Santo e rezar para que Ele realize o Pentecostes em nossas vidas.


28.MAI A 03.JUN – TEMA LIVRE


21.MAI A 27.MAI – ORAÇÃO – ORAÇÕES BASES DO CRISTÃO CATÓLICO. COMO SURGIRAM? QUAIS SÃO?


A oração é um dom da graça de Deus que vem ao encontro do homem e permite o estabelecimento de uma relação pessoal e viva dos filhos de Deus com o Pai, com o seu Filho Jesus Cristo e com o Espírito Santo. Nos permite pedir, louvar e agradecer as graças concedidas e pode ser utilizada em diversas situações e momentos do cotidiano, podendo ser dirigida também à Virgem Maria e aos Santos, para intercederem a Deus e junto de Deus.


A oração é uma das principais formas de desenvolver intimidade com Deus. A oração de um justo é poderosa e eficaz, e ela é uma das principais armas de todo aquele que crê.


· Como surgiram?


De acordo com a Bíblia, ensinar essa oração do Pai Nosso aos fiéis não foi algo programado por Jesus. Ela veio de um espontâneo pedido de um dos seus discípulos que disse “Senhor, ensina-nos a orar, como João Baptista também ensinou os seus discípulos”, e em resposta a este pedido Jesus proferiu a oração mais conhecida em todo o mundo. Foi através desse pedido que Jesus confiou a seus discípulos e à sua Igreja a oração cristã fundamental


A Ave Maria é a oração mariana mais conhecida do mundo. Esta oração é um resultado de um longo processo. Na época medieval era conhecida como “saudação angélica”. A primeira parte da oração da Ave-Maria é composta pela saudação do Arcanjo Gabriel a Virgem Santíssima, como consta no Evangelho de Lucas: “Alegra-te, cheia de graça! O Senhor está contigo” (Lucas 1, 28), e pela saudação de Isabel ao encontrar com Maria: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do vosso ventre!” (Lucas 1, 42). Essa união entre as duas saudações, inicialmente era encontrada apenas na liturgia, vindo mais tarde a se tornar uma oração popular.


· Quais são?